Compartilhar

O deputado estadual e ex-prefeito de Osasco Celso Giglio (PSDB), de 76 anos, morreu na tarde desta terça-feira (11) no Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, informou o centro médico. Segundo sua assessoria de imprensa, ele estava havia quase dois meses internado. As causas da morte não foram informadas.

O corpo do ex-prefeito será velado na manhã desta quarta (12), a partir das 8h, no Teatro Gloria Giglio, em Osasco. O enterro ocorre às 16h no Cemitério Bela Vista, também na cidade da Grande São Paulo.

Giglio foi prefeito de Osasco em duas oportunidades: entre 1993 e 1996 e de 2001 à 2004. Em seu último ano de mandato, teve a prestação das contas de sua gestão em 2004 reprovadas pela Câmara Municipal, seguindo parecer do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP).

Entre as irregularidades estavam a não-aplicação do mínimo constitucional de 25% dos recursos provenientes de impostos na educação, ocorrência de déficit orçamentário e o não-pagamento de precatórios.

Por conta disto, foi enquadrado como ficha-suja e teve a candidatura indeferida pela Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2012 e, novamente, no ano passado.

O político chegou a receber 71.657 votos no primeiro turno em 2016, mas a votação não foi computada, de acordo com a lei eleitoral. Mesmo que fossem contabilizados os votos, ele ficaria fora do segundo turno, que foi disputado por Rogério Lins (PTN) e Jorge Lapas (PDT). Lins venceu o pleito.

As informações são do site G1.

Jornalista, administrador de empresas e criador do Itapevi Realidade, o site de notícias mais acessado e de maior credibilidade da cidade.

SEM COMENTÁRIOS