Início Destaques Reflexão: Sociedade Fragilizada

Reflexão: Sociedade Fragilizada

COMPARTILHAR
Foto: Ilustração
Anunciantes

Estamos vivendo um momento de cobranças para tudo, cobramos comportamentos, cobramos serviços, cobramos políticas públicas, cobramos melhores condições de vida, cobramos melhor educação, cobramos melhor segurança e cobramos e cobramos cada vez mais.

Nossa sociedade de hoje é a cobradora, simplesmente simples assim.

Não estou dizendo aqui que não devemos cobrar, mas devemos antes de cobrar fazer nossa parte, senão vejamos por um lado de reflexão mais amplo:

Cobramos comportamentos, mas nos comportamos adequadamente? Cobramos serviços, mas nos regulamos em relação aos resultados de nossas ações? Cobramos políticas públicas, mas sabemos votar e eleger cidadãos corretos e comprometidos com a causa pública? Cobramos condição de vida, mas cuidamos de nosso quintal e de nossa família? Cobramos educação, mas nos esforçamos para adquirir mais conhecimentos de causas para poder opinar com sabedoria ou somos ouvintes de outros e repassadores de opiniões dos outros? Cobramos educação mas somos educados e respeitamos ao próximo e as instituições? Cobramos segurança, mas criamos uma sociedade justa e fraterna para viver com dignidade? Cobramos aos outros mas muitas vezes não nos cobramos.

Deixo esta reflexão para VOCÊ, sim VOCÊ, que precisa parar de cobrar os outros ou de cobrar mais de si mesmo, para passar a agir mais em prol de uma sociedade menos fragilizada.

Um abraço

COMPARTILHAR
Luiz Carlos Delgado de Aguiar
Administrador de Empresas, Pós Graduação Responsabilidade Social, Saúde e Segurança no Trabalho e Gestão Empresarial, Técnico em Edificações e Técnico em Segurança no Trabalho, 62 anos, empresário ramos Construção e Serviços Gerais, ex-presidente Associação Comercial de Itapevi, ex vice-presidente APAE Itapevi, ex-presidente Rotary Itapevi, ex-governador assistente Rotary distrito 4610, ex-diretor Associação Engenheiros, Arquitetos e Técnicos de Itapevi, presidente Lions Clube Itapevi Centro, casado a 38 anos com Prof. Valéria e com duas filhas (dra. Marina e Leticia-estudante).