COMPARTILHAR
Casos de chikungunya crescem mais de 50 vezes no estado de SP em 2021
Foto: Reprodução

Os casos confirmados de chikungunya no estado de São Paulo cresceram mais de 50 vezes em 2021, ou 5.000% na comparação com todo o ano passado, segundo a Secretaria Estadual da Saúde.

Neste ano já foram registrados 14,3 mil casos confirmados da doença até o mês de novembro, contra 281 casos em 2020.

Pelo menos cinco pessoas morreram por causa da doença neste ano, segundo a gestão estadual.

Em 2019, 315 casos de chikungunya foram registrados pelas autoridades, sem nenhum óbito.

A Secretaria da Saúde afirmou que “há tendência de aumento da doença devido à sazonalidade, pois [a doença não foi muito intensa] nos últimos três anos”.

Por causa do explosão de casos da doença em 2021, a secretaria informou que elaborou neste segundo semestre o primeiro Protocolo de Manejo Clínico de Chikungunya do país, com o objetivo de auxiliar os municípios no enfrentamento a doença.

“Este manual foi idealizado com o propósito de estabelecer diretrizes para suspeita clínica, diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos casos, servindo de subsídio a gestores, profissionais e usuários dos serviços de saúde”, declarou a secretaria.

Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. — Foto: Divulgação/SESA
Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. — Foto: Divulgação/SESA

Aedes aegypti

A chikungunya é transmitida pelo mesmo mosquito que transmite a dengue e o zika vírus, o Aedes aegypti.

Diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) apontam que o combate ao mosquito é trabalho das prefeituras municipais em todo o país.

Porém, a gestão estadual afirma que o enfrentamento ao mosquito é “uma tarefa contínua e coletiva, uma vez que cerca de 80% dos criadouros estão em residências”.

“As principais medidas de prevenção são: deixar a caixa d’água bem fechada e realizar a limpeza regularmente; retirar dos quintais objetos que acumulam água; cuidar do lixo, mantendo materiais para reciclagem em saco fechado e em local coberto; eliminar pratos de vaso de planta ou usar um pratinho que seja bem ajustado ao vaso; descartar pneus usados em postos de coleta da Prefeitura”, afirmou a secretaria.

Dengue e zika vírus

Embora os casos de chikungunya tenham explodido, os números da dengue até novembro não ultrapassaram os valores de todo o ano passado.

Até 29 de novembro, o estado de São Paulo registrou 138,6 mil casos de dengue e 57 óbitos em 2021. Em todo o ano passado, foram 195,8 mil casos de dengue e 144 óbitos.

Em relação ao zika vírus, o estado teve até agora 13 casos confirmados neste ano contra 12 em todo o ano de 2020, sem óbitos em ambos os períodos, segundo a pasta da Saúde.

Fonte G1