Candidato do PTN venceu com quase 62% dos votos.

O candidato do PTN, o vereador Rogério Lins, 38, é o novo prefeito de Osasco (SP). Ele vai substituir o atual mandatário, Jorge Lapas (PDT), 56, eleito em 2012 pelo PT – sigla que deixou em março. É a primeira vez que o PT perde a eleição no município desde 2004.

Com 100% das urnas apuradas, Lins obteve 61,21% dos votos, contra 38,79% de Lapas.

“Amanhã já quero procurar o prefeito Jorge Lapas, com muito respeito e de forma tranquila, fazer uma transição para poder melhorar a cidade”, disse Lins, em entrevista na noite deste domingo (30). “Vamos acabar com esse câncer do país que é a corrupção, rever os contratos. Se não tiver bom preço, não vai manter o contrato.”

Apoio de Francisco Rossi (PR)

Lapas justificou a saída do PT no início deste ano devido “ao momento difícil” pelo qual a legenda passa e pelas disputas internas –mesmo alinhado ao PDT em plano nacional, os petistas lançaram Valdir Pracidelli ao cargo.

Rogério Lins teve o apoio de apenas três partidos no primeiro turno: além do PTN, ao qual é filiado, atraiu o PR e o PRP. O atual prefeito arrastou 17 legendas para a candidatura.

Mais votado no primeiro turno, Lins era o azarão da disputa, cujos favoritos eram Lapas e o ex-prefeito Celso Giglio, 75, do PSDB, que teve a candidatura indeferida pelo TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo). Giglio apoiou Lins no segundo turno, fato considerado determinante para a vitória do candidato do PTN.

Lins contou também com o apoio do ex-prefeito Francisco Rossi (PR), que chegou a disputar as eleições para o governo (1994 e 1998) e para a Prefeitura de São Paulo (1985, 1996 e 2000). Antes de sair candidato, o prefeito eleito fazia parte da base de apoio de Jorge Lapas na Câmara Municipal.

Vereador por duas vezes

Formado em direito, Lins está no segundo mandato como vereador. Em 2014, candidato a deputado estadual, obteve a primeira suplência do PTN na Assembleia Legislativa.

Em junho, seu gabinete foi alvo da operação Caça-Fantasma, do Ministério Público do Estado de São Paulo. A ação investigava esquema fraudulento de funcionários fantasmas na Câmara Municipal de Osasco. Rogério Lins, na época, negou irregularidades. O inquérito está em andamento.

Sobre essa investigação, Lins afirmou, após o anúncio da vitória, que seu gabinete foi investigado e que não possui nenhum funcionário fantasma. “Todos os meus funcionários trabalham até mais do que o período regulamentar. Meus números não me desabonam”, afirmou.

A cidade

Maior cidade da região oeste da Grande São Paulo, Osasco tem cerca de 700 mil habitantes, segundo o IBGE. O PIB da cidade é o nono maior do país e o segundo maior do Estado, com 55,5 bilhões de reais, segundo o instituto.

Fonte: Uol