A imprensa deve servir os governados e não os governantes”, é por este motivo que você lerá sobre este assunto apenas aqui, no Itapevi Realidade.


Envie um “OI” para o nosso whatsApp 9 6965-8033, você receberá notícias em celular gratuitamente.


Você certamente já ouviu falar do drama de pacientes que aguardam por dias, semanas e até meses pela liberação de uma vaga para serem transferidos para um hospital, em Itapevi este número é assuntado, são inúmeros os casos de pessoas e familiares de munícipes que perderam a vida em razão da demora.

De acordo com uma investigação da polícia, boa parte da demora para liberação de vagas em Itapevi pode ser dar em função de uma prática conhecida, mas pouco combatida, o uso destas vagas por políticos, que muitas vezes colocam amigos, eleitores e amigos de amigos na frente de pacientes que já estavam aguardando uma vaga para serem transferidos.

Um inquérito policial está em andamento e investiga esta prática vergonhosa, os trabalhos avançaram com denúncias realizadas por moradores e funcionários públicos que já presenciaram a morte de muita gente inocente.

Prisão de Servidora da Prefeitura

O avanço das investigações levaram os policiais a prender uma servidora da cidade há 2 semanas, a funcionária fazia parte da frente de trabalho na prefeitura, um cargo cuja ocupação só se dá por meio de indicação política, o nome do político que a indicou não foi revelado.


Leia também:

Prefeitura gasta R$ 3.1 milhões a menos com aluguel de veículos

Morre idoso atingido por carro que captou em Itapevi

Instituto Cacau Show abre inscrições para programas gratuitos em Itapevi


Os investigadores chegaram a mulher por meio de uma denúncia anônima de que a servidora agenciava vagas nos hospitais a pedido de políticos da cidade, de acordo com informações, quando acionados por amigos ou familiares de pacientes internados no pronto-socorro da cidade, os políticos acionavam a servidora que conseguia viabilizar a vaga, em alguns casos, a mulher se passava por familiar dos pacientes, como contrapartida, os políticos se beneficiavam de diversas formas, inclusive fidelidade de votos.

Além de prestar depoimento, a servidora também teve seu celular confiscado e levado para perícia, de acordo com a polícia a servidora não possui antecedentes criminais e negou cometer os crimes dos quais estava sendo acusada, após o fato a mulher foi afastada das funções na prefeitura da cidade.

A partir da conclusão do inquérito ele será direcionado para o Ministério Público, o caso pode gerar a abertura de outros inquéritos caso as investigações identifique indícios de envolvimento de outras pessoas na prática de crimes.