mulher-300x209

Moradores do bairro Morrinhos, no Guarujá  (SP), são os principais suspeitos de linchar até a morte a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos. A principal linha de investigação da Polícia Civil é que Fabiane foi confundida com um retrato falado espalhado nas redes sociais, atribuído a uma suposta sequestradora de crianças que praticava rituais de magia negra. Amarrada e espancada nas ruas do bairro, ela acabou sendo vitima de mais uma inaceitável ação de “justiceiros” no Brasil.

 

O corpo de Fabiane Maria de Jesus de 31 anos, foi enterrado as 10h15 desta terça-feira, 6, no cemitério Jardim da Paz, no Guarujá, em meio a gritos por justiça e forte comoção das cerca de 200 pessoas que acompanharam a cerimônia. Fabiane morreu nessa segunda depois de ficar dois dias internada. 
O cemitério Jardim da Paz, onde ela foi enterrada, fica entre um lixão e um depósito de contêineres. Seu corpo foi depositado em uma gaveta nos fundos do cemitério, em lugar cercado de entulhos e insetos. Seu nome foi escrito com pregos no cimento fresco na gaveta por coveiros. Muito religiosa, segundo familiares e amigos que estiveram presentes, Fabiane morreu depois de ter ido buscar uma Bíblia na igreja São João Batista, também no Guarujá. Esse foi um dos principais assuntos discutido entre os familiares durante a cerimônia, que também se mostravam horrorizados com a “falta de amor no coração” por parte das pessoas que a espancaram até a morte depois de arrastá-la por vielas do bairro.

 

Os amigos de Fabiane informaram que ela havia emprestado a Bíblia para uma amiga na quarta-feira passada, ocasião do aniversário da amiga. Fabiane recomendou a leitura de um salmo. No sábado, ela foi buscar o livro que havia ficado na igreja. No caminho de volta para casa, a dona de casa parou em um supermercado para depois prosseguir viagem, quando  então foi atacada. A Bíblia, que tinha também uma foto das filhas dela, foi rasgada pelos assassinos. O livro, no entanto, foi recuperado e entregue para a mãe de Fabiane.

 

Manifestação. Depois da cerimônia de sepultamento, uma passeata pedindo paz e justiça saiu do cemitério em direção ao centro do Guarujá. A polícia deve ouvir nesta segunda os responsáveis pela página no Facebook “Guarujá alerta”, acusada de publicar fotos que levaram a multidão a confundir uma suposta sequestradora de crianças com Fabiane. Na segunda, a Polícia Civil do Guarujá divulgou que suspeita que pelo menos 10 pessoas teriam participado do crime.

 

Assista ao vídeo: