Clique aqui e envie um “OI” pelo WhatsApp para receber mais notícias de Itapevi e do Brasil em seu celular gratuitamente.


A Polícia Civil abriu um novo inquérito para apurar a lavagem de dinheiro por parte dos quatro presos na Operação Tersus, que investiga fraudes em contratos da Prefeitura de Araçariguama (SP) com empresas de locação de veículos.

O grupo foi indiciado por associação criminosa, fraude em licitação, corrupção ativa e o funcionário da prefeitura por peculato.Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos no início de fevereiro.

A investigação apreendeu cinco carros importados em Itapevi, na casa do empresário Magrão, dono da empresa Locaville e de um casal investigado. Os veículos devem ser leiloados para garantir o ressarcimento dos cofres públicos no fim do processo, segundo a polícia.

Conforme a investigação, o empresário Adalberto Dias da Silveira está preso. Ele também era responsável pela outra empresa investigada, a Multinível.

A sócia dele, Esther Gonzales Rodrigues, teve a prisão preventiva decretada. Ainda segundo a polícia, ela cuidava da contabilidade das locadoras de veículos. O marido dela , o empresário Luiz Carlos Rodrigues, que se entregou à polícia, é apontado como o administrador dos negócios fechados também com outras prefeituras do interior e da grande São Paulo.


Leia Também:

Globo faz fiscalização no Terminal de ônibus de Itapevi

Igor Soares anuncia criação do primeiro parque de Itapevi

Prefeitura fala sobre GCMs flagrados em festa com viatura durante experiente


No inquérito, a polícia informa que foram várias as tentativas para ter acesso aos processos de licitação para a escolha das empresas investigadas, mas as requisições foram ignoradas e apenas parte dos documentos foi entregue pela Prefeitura de Araçariguama.

Os documentos mostram que em um contrato fechado em 2014 estão previstas despesas diretas e indiretas com a locação. Nele incluem motorista ou operador, no caso de máquinas pesadas, combustível, encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais e comerciais.

Uma das cláusulas, segundo a investigação, deixa claro que as obrigações da empresa contratada é deixar todos os veículos abastecidos e a quilometragem livre.

Durante a investigação, a polícia conseguiu provar que os carros alugados eram abastecidos com dinheiro da prefeitura em postos de combustíveis de Araçariguama.

Um dos documentos mostra a autorização assinada pelo diretor de transportes, Cristiano Cardoso Dias, no dia 12 de abril de 2018.

O relatório feito pela polícia antes mesmo da instauração do inquérito indicou também que, entre janeiro e junho de 2017, a prefeitura pagou para a empresa Locaville mais de R$ 900 mil.

Só no mês de junho daquele mesmo ano, a outra empresa investigada, Multinível, recebeu da prefeitura R$ 550 mil.

A polícia estima que mais de 15 prefeituras do interior e da grande São Paulo tenham contratos com as duas empresas.

A atual administração que assumiu a Prefeitura de Araçariguama há duas semanas, depois da cassação de Lili Aymar, disse que não teria tempo hábil para responder sobre a investigação.

A ex-prefeita afirmou que os contratos com as empresas de aluguel de carros foram fechados na gestão anterior e que teve todos os gastos aprovados pelo Tribunal de Contas.